• Cadastre-se
  • Equipe
  • Contato Brasil, 29 de março de 2017 21:43:59
Nordestinas
  • 23/07/2015 08h39

    Renan Calheiros nega manobra para prejudicar procurador-geral da República

    Nota do presidente do Senado contesta reportagem sobre articulação para impedir recondução de Rodrigo Janot ao cargo
    Agência Brasil

    Renan: "Indicação é prerrogativa da Presidência da República e a apreciação é uma competência dos senadores"

    ( Publicada originalmente às 16h 39  do dia 22/07/2015) 

     

    (Brasília-DF, 23/07/2105) O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), contestou notícia veiculada pelo jornal Folha de S. Paulo nesta quarta-feira, 22, informando que ele estaria manobrando para evitar a recondução de Rodrigo Janot ao cargo de procurador-geral da República. Renan Calheiros divulgou uma nota onde afirma que o seu cargo de presidente do Senado exige isenção.

    “A indicação é uma prerrogativa da Presidência da República e a apreciação é uma competência dos senadores”, afirmou Renan Calheiros. Na curta nota, ele diz que “rechaça” a reportagem por oconsiderá-la “totalmente improcedente”. Também assegurou que seu trabalho é pautado pela isenção.

    Retaliação

    De acordo com a reportagem da Folha de S. Paulo, Renan Calheiros estaria estudando a possibilidade de segurar a votação que decidirá sobre a recondução do procurador-geral da República, Rodrigo Janot. Seria uma retaliação por ele também ter sido incluído na lista de políticos investigados pela procuradoria. O presidente do Senado é alvo da Operação Lava Jato, da Polícia Federal.

    O mandato de Rodrigo Janot termina em 17 de setembro. Se ele for o escolhido pelo próprio Ministério Público, sendo o mais votado numa lista tríplice, esta é a data para o Senado votar sua indicação. Mas antes, o nome precisa ser indicado pela presidenta Dilma Rousseff.

    Resistência

    De acordo com a Folha de S. Paulo, a estratégia de Renan Calheiros conta com a resistência de senadores aliados dele. Um senador ouvido pelo jornal afirmou que seria “um tiro no pé” porque a manobra revoltaria os integrantes do Ministério Público. E, aí, eles pressionariam o procurador-geral interino para intensificar ainda mais as investigações contra políticos envolvidos no esquema de corrupção da Petrobras e empreiteiras.

    Leia a íntegra da nota do presidente do Senado

    "Em face da publicação de hoje (22-07-2015) intitulada “Renan cogita manobra para segurar recondução de Janot a Procuradoria”, cumpre-me rechaçá-la por ser totalmente improcedente.

    "O cargo da Presidente do Senado Federal exige a isenção, com a qual venho me pautando para possibilitar a independência do Legislativo.

    "A indicação é uma prerrogativa da Presidência da República e a apreciação é uma competência dos senadores.

    "A fim de evitar leituras equivocadas - de fontes sempre secretas - peço a publicação deste esclarecimento lamentando o fato de não ter sido ouvido antes da referida publicação.

    "Senador Renan Calheiros

    "Presidente do Senado Federal​"

     

    (Valdeci Rodrigues, especial para Política Real. Edição de Valdeci Rodrigues)

     


Vídeos
publicidade