• Cadastre-se
  • Equipe
  • Contato Brasil, 22 de agosto de 2019 05:07:46
Genésio Jr.
  • 07/04/2019 13h16

    Bolsonaro e Lula: tudo a ver!

    O ex-presidente Lula assim como o atual presidente Bolsonaro erram, profundamente.

    Lula e Bolsonaro se parecem ao insistirem em cometerem erros de avalição( Foto: Site Veja)

    (Brasília-DF) Se o mês de março gerou muita expectativa no mundo do poder, face a sua historicidade no hemisfério ocidental, esse mês de abril começa com tudo!

    Nesta semana, o Governo Bolsonaro completa 100 dias. Semana que se inicia com os 365 dias em que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva está cumprindo prisão por condenação, em segunda instância, face obtenção de vantagens indevidas, corrupção passiva e lavagem dinheiro, no caso do Triplex do Guarujá.

    O presidente Jair Bolsonaro vive uma encruzilhada em seu governo. Pesquisas seguidas revelam que ainda existe uma grande expectativa positiva com o Governo, porém todas eles mostram, as reveladas até o momento, uma perda de prestígio.

    Na pesquisa Ibope, realizada entre 16 e 19 de março, se revela que 34% dos brasileiros consideram o governo bom ou ótimo, os mesmos 34% consideram o governo regular e 24% consideram o governo ruim ou  péssimo. Um total de 8% não tiveram posição. No início do governo, a avaliação positiva era de 49%. Em fevereiro caiu para 34%. A avaliação do ruim ou péssimo subiu, no Ibope, a 13%.

    Uma instituição financeira divulgou na sexta-feira, 5 de abril, uma pesquisa em que revela que em fevereiro a avaliação positiva do governo era de 40%, caiu para 35% em abril. Já os que consideram o governo Bolsonaro ruim ou péssimo avançaram em seu descrédito, entre fevereiro e abril, de 17% para 26%. Essa mesma pesquisa revelou que a expectativa  de que o governo fosse bom ou ótimo caiu de 63% em janeiro para 50%, nesse início de abril.

    Nesse domingo, 7 de abril, instituto Datafolha mostrou que as dificuldades surgem, mas 59% brasileiros, ainda otimistas, acreditam que o governo será bom ou ótimo.  No momento, 30% dos brasileiros avaliam que o governo está ruim ou péssimo. Um total de 33% consideram o governo bom ou ótimo e 33% avaliam o governo como regular. A pesquisa Datafolha desse domingo foi realizada entre 2 e 3 de abril.

    Antes da posse, o Datafolha apontava que 65% dos brasileiros avaliavam que o governo seria bom ou ótimo, enquanto o ruim ou péssimo era de 12%.

    Comparado com outros presidentes eleitos após a redemocratização, o presidente Jair Bolsonaro chega  aos 100 dias na frente de todo mundo com a nota ruim ou péssimo. Ele ganha notas piores que as dadas a Collor de Melo, FHC, Lula ou Dilma.

    É natural a perda de popularidade no início de governo. Qualquer governo. Os bolsonaristas dizem logo  que “querem que Bolsonaro resolva tudo em 100 dias depois de 12 anos de Lula e Dilma? “. O Presidente Bolsonaro chegou ao poder num momento de intensa polarização da sociedade com um ex-presidente da República preso, talvez um dos mais populares de todos os tempos.

    Justo no momento que se avalia o início do governo, observando  que o Presidente da República gastou muita energia com questões absolutamente desnecessárias - se discute a prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O petista divulgou artigo em que pergunta porque ainda o querem preso, depois que ele foi impedido de disputar as eleições.

    O ex-presidente Lula assim como o atual presidente Bolsonaro erram, profundamente.

    Lula preso e tendo que enfrentar outros processos pela frente deveria buscar dentro da lei algum tipo de liberdade provisória, domiciliar que seja, para orquestrar as oposições que ainda não se apartaram entre os grupos que buscam uma esquerda sem-Lula e uma esquerda lulista.

    Bolsonaro erra, também, ao não aproveitar o momento para esmagar as oposições e engessar os neo-conservadores que já observam que há vida sem o bolsonarismo.  

    Os poderosos, sejam no topo ou frente o ocaso, não costumam ver que o segredo do poder é saber que seus limites são maiores que suas larguezas!

    Por Genésio Araújo Jr, jornalista

    Email: [email protected]